Estudar no Canadá

Quando o barato sai caro em estudar no Canadá? Co-op ou Colleges 26


As escolhas são parte da vida, as fazemos o tempo inteiro, muitas vezes, sem ao menos perceber. Quando o desejo de mudar de vida depende prioritariamente da mudança de país as escolhas mais simples podem impactar negativamente no futuro. Entre estudar no Canadá investindo em uma pós-graduação para depois tentar imigrar ou imigrar por trabalho, muitas pessoas veem na primeira opção a facilidade de investir no estudo canadense evitando correr atrás de uma oferta de trabalho no Brasil – uma tarefa árdua e com possibilidades quase nulas de sucesso -, aprimorando o idioma e com chances de conseguir um trabalho já estando no Canadá.

Quando o assunto é estudar no Canadá com a finalidade de usar isso como porta de entrada para a imigração, as opções são variadas e para (quase) todos os bolsos. Se a prioridade é investir menos dinheiro, a realidade de muita gente, uma universidade canadense tem altas chances de ficar de fora dos planos. Entram em jogo os Colleges – nem sempre tão baratos - e os cursos vocacionais com Co-op – com outras vantagens, entre elas o preço.

 

Estudar no Canadá com valores acessíveis

O custo menor que a universidade e menos tempo de curso são duas características que atraem estrangeiros para o College no Canadá. Já o quesito fluência no idioma, elimina quem precisa de mais treino e não dispõe de recursos a mais para ingressar em um Pathway no programa de college, apesar de o nível exigido na fluência do idioma seja menor que nas universidades. Restam então os cursos vocacionais.

 

Mas, o que é o curso vocacional Co-op?  Ele é interessante para quem quer imigrar para o Canadá?

Por ter preços mais acessíveis e melhor aceitação para estrangeiros com menor nível de inglês se comparado com o College, os cursos vocacionais apresentam vantagens a estrangeiros com menor fluência no idioma para estudar no Canadá, pois, além de garantir o componente de trabalho como parte do programa, muitos cursos disponibilizam o reforço de Inglês, cabe pesquisar e saber dos requisitos da escola. Mas quando o desejo é imigrar, essa estratégia pode ser o famoso “barato que sai caro”. Entenda.

Os cursos mais procurados nesse programa são os de business, hospitality, marketing e mídias, com a duração mínima de 24 semanas. Claramente áreas em demanda no Canadá.

Logo no início do curso vocacional, o aluno que se enquadrou no perfil, foi admitido e tem boas condições na fluência do idioma, pode trabalhar até 20hs semanais off campus. Obviamente, esse é um ponto muito positivo e interessante aos que precisam treinar o idioma e não têm recursos de bancar um Pathway antes do College, onde trabalhar não é permitido. Já na capitalização de recursos, as vagas para trabalhar 20hs semanais não suprem os custos médios mensais para viver no Canadá de forma independente e, aos que pensam em poupar esse dinheiro e reverter essa economia em um College no futuro, a lógica é a mesma. O ponto negativo é que essas horas trabalhadas não contam para fins de imigração.

 

Quer trazer o cônjuge para o Canadá enquanto estuda?

Se sim, é melhor não arriscar aplicar para o curso vocacional. Ao contrário do College, o Co-op não garante o Open Work Permity, apesar de algumas pessoas que aplicam no Brasil conseguir, mas isso NÃO é garantia. Outro ponto importante na imigração com a família é que este programa não dá direito ao ensino público para os filhos.

O curso vocacional tem peso de graduação - assim como o College - entretanto, o programa não dá direito ao PGWP (Post Graduation Work Permit), pois é oferecido por instituições privadas, onde, na conclusão, o estudante recebe um diploma, não o Degree.

 

Mas, e o estágio obrigatório no fim do programa. Não é a mesma coisa?

Não. Esse é um ponto polêmico e que gera risco no plano de imigrar para o Canadá. Antes de qualquer coisa, é preciso esclarecer uma coisa que algumas pessoas não sabem. Após se formar, o estudante precisa passar pelo estágio obrigatório, mas isso não o obriga a deixar aquele outro emprego de 20hs semanais off campus. Ou seja, se o estudante está no Canadá cursando, por exemplo, um curso de Marketing e conseguiu um trabalho off campus lá no início do curso e no momento do estágio ele consegue uma vaga em um empresa ou escritório, ele pode sim permanecer nos dois.

Agora falando do estágio. Ele é uma etapa importante do programa, onde a prioridade é proporcionar ao estudante a vivência sobre o que foi estudado no ambiente acadêmico. A questão nem sempre empolgante é que esse estágio pode ou não ser remunerado e não há lei que obrigue as empresas a oferecer apenas vagas com remuneração.

Levando em consideração esses pontos, os cursos vocacionais são interessantes para quem é solteiro, ou vem ao Canadá sozinho, e assume riscos no plano de imigrar para o Canadá sem muito compromisso com datas ou tendo uma folga no orçamento onde caiba pensar em um College no futuro, garantindo assim o PGWP. Lembrando que a comprovação financeira para esse programa é a mesma exigida para outros. Ou seja CAD$ 10.000 por pessoa, mais o valor referente a um ano do programa de estudos. Em caso de incluir o cônjuge, serão mais CAD$ 4,000,00 e, para filho, mais CAD$ 3.000. Esse é o mínimo estimado requerido.

Analisando todas as informações deste texto já se torna possível entender para quem é indicado investir em um curso vocacional Co-op.

A diferença de valor entre um College e um curso vocacional pode chegar a CAD$ 3.000 anuais, um quesito atraente, mas que não deve ser levado em consideração quando o assunto é imigração.

Vimos que, quem pretende imigrar com a família, quem pretende conseguir um emprego full time, onde a remuneração seja equivalente ao custo de vida no Canadá, e quem tem um orçamento restrito considerando as características anteriores não deve investir “logo de cara” em um curso vocacional apenas por conta do menor preço das mensalidades.

Para evitar desistir do sonho de imigrar para o Canadá por conta de um planejamento falho, é importante analisar profundamente as possibilidades onde seu perfil possa se encaixar. Muitas pessoas precisam dar um up grade antes de investir na aplicação nos programas de estudo ou de imigração provinciais e Express Entry. Tudo isso faz parte do processo e ajuda como motivação para manter o foco no seu sonho.

 

Autor: Alexandre Luis Pedrosa – Especializado em Vistos e Sistema Educacional Canadense.

Quer ajuda? Escreva direto para o autor: alexandre@vistoparaocanada.com.br


Alexandre Luis Pedrosa

sobre Alexandre Luis Pedrosa

Já viajou pelo Canadá de ponta a ponta. Sabe tudo sobre o Canadá. Certificado pela Comissão de Turismo Canadense; Especialista em vistos, imigração e sobre o Sistema Educacional no Canadá e Consultor no setor de vistos para diversas agências e empresas do Brasil. Escritor de contos e do E-book "99 atividades e atrações grátis para fazer no Canadá". Um eterno apaixonado pelo Canadá.


Escreva para nós aqui >

26 thoughts on “Quando o barato sai caro em estudar no Canadá? Co-op ou Colleges