Não quero morar no Canadá mais… Quero voltar para o Brasil


Os fatores que fazem brasileiros desistir do país e falarem não quero morar no Canadá, muitas vezes são desconsiderados na hora de planejar a imigração

Depois de tanto trabalho, planejamento, abdicar dos bens no Brasil, de deixar amigos e família para embarcar no “sonho canadense”, o brasileiro que imigrou para o para o país decide: não quero morar no Canadá, quero ir embora para nunca mais voltar! Talvez a dor da frustração ao descobrir que a imigração não equivalha ao dobro dos sacrifícios até sair do Brasil.

Não quero morar no Canadá mais

Não quero morar no Canadá mais

Sentenciar que “não deu certo” parece ser muito forte. De fato é. Mas o planejamento rumo à imigração canadense leva anos e passa a mudar a vida de quem quer imigrar assim que a decisão de ir embora do Brasil é tomada. As pessoas se desfazem de imóveis, de bens materiais diversos, economizam dinheiro, lidam com as burocracias brasileiras e canadenses para aplicar corretamente para a imigração, mas nada disso garante sua adaptação em outro país. Guarde essa informação.

Depois dessa saga, voltar não é uma opção. Até que…

 

O sonho acabou… Por que alguns dizem não quero morar no Canadá?

“Às vezes é necessário dar um passo para trás para dar dois para frente”, adverte um dito popular. Em determinadas áreas de atuação e profissões a trajetória de um especialista se constrói ao longo de alguns anos, passando por caminhos que incluem experiências em diferentes empresas, implantação de projetos autorais, cursos de especialização…

 

No Brasil era sênior, mas no Canadá precisa “começar de baixo”

O imigrante precisa estar preparado para comprovar toda sua bagagem profissional não apenas nas traduções de diplomas ou no currículo. Ter paciência para reconquistar um status profissional que já teve é essencial, ainda que o desgaste seja uma realidade.

Qual o peso de anos trabalhando em uma empresa de porte médio, com sede em apenas uma cidade, ocupando um cargo de chefia diante de um recrutador canadense? É triste, mas o empregador do Canadá dificilmente conhecerá a agência de publicidade descolada que você trabalhou e fez campanhas fantásticas para uma empresa conhecida apenas em sua cidade. O que o imigrante tem é um currículo, não histórico canadense. Você deverá escrever uma nova história profissional no Canadá usando sua experiência pregressa como base. Isso pode levar anos e há quem não resista começar de novo e diga: não quero mais morar no Canadá.

Esteja preparado para não se incomodar em recomeçar

Classe média vivendo confortavelmente no Brasil… Contando cada dólar no Canadá

Esse é um ponto que facilmente gera polêmicas, mas que faz muitos brasileiros irem embora sem planos de voltar para o Canadá.

Não é incomum no Brasil vermos famílias de classe média que sustentam o luxo de ter seu carro na garagem, empregada doméstica ou diarista. Achou ofensivo chamar isso de luxo? Mas certos privilégios, como esses, representam bom status social no Brasil, o que não se aplica em muitos países.

A maioria de quem imigra para o Canadá precisa se desfazer de seus bens no Brasil com o único objetivo de reunir a quantia exigida pelo Governo do Canadá na comprovação financeira. Há ainda casos onde o plano de imigrar vem do estudo em universidade, o que também custa dinheiro. Em todos os casos, quem não tem de onde tirar recursos extras para se estabelecer em outro país vive a mudança de status social na mais pura realidade.

Contar dinheiro pode ser bom, mas é melhor quando supre o que precisa.

Quem tem empregada doméstica no Canadá, invariavelmente, está muito acima da classe média. Custos com aluguel, alimentação, manutenção básica da casa tomam boa parte do salário de um recém-chegado. Além disso, existe um abismo social no entendimento a prestadores de serviço. Não é que no Canadá ter empregadas custa caro, o serviço é que é valorizado como se deve.

Comprar um carro no Canadá cabe no bolso de muita gente, mas pode ir para o fim da lista das prioridades quando se imigra e regra do “faça você mesmo” se aplica em quase tudo quando o assunto é prestação de serviços para casa e para si.

Por mais que os salários canadenses sejam mais justos para a maioria das profissões, a mudança de status somada ao stress da adaptação a uma nova vida e responsabilidades é impactante demais para muita gente e pode transformar o sonho em pesadelo.

 

O inverno no Canadá é…

A turma do “deixa disso” sempre estará disposta a “colocar panos quentes”, mas para vencer o inverno canadense só paninhos não bastam e, com certeza, isso é impactante quando alguém desiste de morar no Canadá.

Festivais de Inverno no Canadá

Festivais de Inverno no Canadá – Rideau Canal

Deixando de lado os trocadilhos infames, as baixas temperaturas que facilmente ultrapassam os -30°C em cidades como Montreal, por exemplo, são realmente assustadoras. Mas não é só isso.

O inverno é conhecido como a estação da depressão não à toa. Mudanças fisiológicas acontecem nessa estação, muitas delas relacionadas à pouca exposição ao sol, às noites mais longas e ao frio ininterrupto.  Soma-se isso aos desafios cotidianos, a distância dos familiares e amigos… O rigor do inverno canadense pode ser o limite, o fim do sonho de permanecer no país.

 

A saudade dos parentes e amigos do Brasil

Ficar distante da família, perder as referências, correr o risco de viver o luto de um ente querido em outro país. Imigrar e ter saudade do Brasil definitivamente não é passar por uma viagem de férias.

Saudades do Brasil?

Apesar dos recursos tecnológicos e das redes sociais, a falta do contato físico, daquele ponto de apoio da família e dos amigos são fatores determinantes para a qualidade de vida de muita gente. O caso fica mais grave quando se imigra sozinho, deixando de acompanhar o crescimento dos filhos e não contando com o pronto apoio do cônjuge.

Nem é necessário passar por um momento de crise morando no Canadá para sentir a saudade apertar. O clima do Brasil, a comida, as festas, detalhes… Qualquer item pesa quilos na balança e causa traumas até mesmo em quem acreditava que viver no Canadá seria só alegria.

 

Qualquer problema fica maior longe de casa

Perder o emprego, demorar a arrumar outro, ficar doente, estourar o orçamento e ter um imprevisto sem ter de onde tirar mais recursos. Crises são crises. Pequenas ou grandes, nos forçam a repensar muitas coisas. Seja perdendo o foco ou reavaliando as prioridades, muitos não se furtam a encarar o retorno ao Brasil com o ticket só de ida para retomar as rédeas da própria vida em um terreno já conhecido.

Nem sempre o problema é um problema, mas é sempre um problema quando não queremos problema.

 

Idioma

Você deve questionar agora: Mas para imigrar não é preciso ter inglês (ou francês) fluente?

Nem sempre. O cônjuge e/ou os filhos não precisam, ainda mais se o aplicante garantir pontos suficientes para imigrar (ser fluente e receber uma oferta de emprego elevam absurdamente as chances). Isso faz com que muitos acompanhantes do imigrante digam: Quero ir embora, não quero morar no Canadá!

Inglês ou Francês?

Fato é que viver no Canadá implica em falar outro idioma, se não o português, na maior parte do tempo, e isso tem grandes chances de gerar um desgaste. Deve ser maravilhoso para quem é desprendido e tem a capacidade de acionar a chave da resiliência com facilidade, mas nem todos são iguais. E ir perdendo as referências da língua materna é como ir apagando sua origem.

 

Absorver uma nova cultura ou perder a sua?

Não vamos discutir os benefícios de um intercâmbio cultural, ainda mais em um país que acolhe tantos imigrantes, mas a diferença entre morar e estudar no Canadá e passar uma temporada é muito grande quando o assunto é absorver uma nova cultura.

Com o tempo, o expatriado percebe que a troca fica injusta, os assuntos que fluem naturalmente entre canadenses são truncados com os imigrantes que não acumularam a vivência no Canadá desde o nascimento, os pequenos detalhes fazem a diferença no dia-a-dia.

Ao mesmo tempo, as referências brasileiras vão se perdendo por falta de uso. Entre viver como um canadense e continuar sendo brasileiro “não praticante” existe um limbo que se destaca nos retornos para férias no Brasil.

Muitas pessoas associam o lugar que vivem à sua identidade, sua essência e nada impede de saber disso apenas quando estiver em outra América. Para elas, regressar ao Brasil é se reconectar àquilo que não vale a pena se distanciar por muito tempo.

Se o que vale é o caminho e não o destino, o expatriado que desiste do Canadá ganha muito em experiências de vida. Diferenciar fracasso de mudança de estratégia e compreender que as expectativas podem não corresponder à realidade canadense pode ser determinante para refazer a vida no Brasil e tentar investidas em novos caminhos.

 

Saiba Mais:

Saiba como solicitar o visto de turismo para o Canadá

Se você vai estudar, saiba mais sobre o visto de estudante para o Canadá

 

Autor: Alexandre Luis Pedrosa – Sabe tudo sobre o Canadá. Pergunte!

Quer ajuda? Escreva direto para o autor: alexandre@vistoparaocanada.com.br


Alexandre Luis Pedrosa

Sobre Alexandre Luis Pedrosa

Já viajou pelo Canadá de ponta a ponta. Sabe tudo sobre o Canadá. Certificado pela Comissão de Turismo Canadense; Especialista em vistos, imigração e sobre o Sistema Educacional no Canadá e Consultor no setor de vistos para diversas agências e empresas do Brasil. Escritor de contos e do E-book "99 atividades e atrações grátis para fazer no Canadá". Um eterno apaixonado pelo Canadá.

Escreva para nós aqui >