Estudar no Canadá em 2016: como se preparar para o intercâmbio? 2


O ano mal começou, mas para quem vai se preparar para estudar no Canadá em 2016 para fazer um intercâmbio é hora de planejar o quanto antes a viagem. Estudar inglês ou francês no exterior é um sonho que se tornará realidade para muitos que escolheram as vantagens apresentadas pelo país, principalmente no quesito econômico (dólar a menos de R$ 3,00), mas a ansiedade da viagem não deve adiar as resoluções práticas para uma estada mais tranquila e melhor aproveitamento da temporada de estudos. Um investimento como esse valoriza o lado profissional e o desenvolvimento pessoal, por isso, merece atenção aos detalhes de como se preparar para o intercâmbio, evitando sustos e perda de tempo.

 

A preparação para estudar no Canadá em 2016

Organize seus documentos – Esse assunto já é conhecido por quem acompanha nosso site, inclusive dedicamos um texto inteiro sobre os documentos para o visto canadense, onde explicamos detalhadamente a importância dessa etapa no passo a passo para tirar o visto para o Canadá. Mas quando se trata de intercâmbio a duração e a modalidade do curso são fundamentais para decidir o visto ideal.

O visto para estudar no Canadá , no caso de idiomas com duração de até 24 semanas, é o visto canadense de turista, situação diferente de quem vai investir em mais tempo de curso, ou optar pelo High School, pós-graduação ou outras modalidades de cursos secundários. Mesmo pra as viagens nas férias de julho, ou nos meses seguintes, programe-se e adiante a solicitação do visto.

Contratar agência de intercâmbio – Se a prioridade é economizar no Canadá, contratar ou não uma agência de intercâmbio deve ser considerado, pois não é obrigatória a intermediação dessas empresas para entrar em contato com as escolas canadenses, apesar das vantagens oferecidas por essas empresas.

Passagens aéreas para o Canadá – Um item obrigatório é pesquisar o preço das passagens aéreas em busca do melhor preço. Quanto antes começar a procurar, maiores as chances de poupar dólares.

Outras dicas importantes em relação às passagens aéreas é verificar se o alto desconto se deve a muitas escalas e a possibilidade de menores tarifas para estudantes.

Seguro saúde – As longas estadias no Canadá, que ultrapassem os 180 dias, traz a obrigatoriedade de um seguro saúde.

Hospedagem – Outro item que encarece a viagem é a hospedagem em hotel ou em imóvel alugado e, para não fugir à regra, pesquisar as oportunidades para encontrar o melhor preço é o ideal. Sites como o Airbnb e Kijiji ajudam muito nessa tarefa.

Treinar o Inglês no Brasil – Embora a missão seja estudar no Canadá com uma imersão na cultura, é aconselhável o estudante começar a familiarização com o idioma ainda no Brasil, principalmente se está no nível básico iniciante. Acompanhe sua evolução semana a semana, use ferramentas gratuitas como o English Test, Exam English, Test Den… Todos com base na prova do TOEFL. Para “gastar o inglês” use aplicativos que possibilitem a conversação com pessoas de outros países, como acontece com o Zello e o Wechat.

E como levar dinheiro para o Canadá? – Essa é uma dúvida clássica entre os intercambistas, principalmente para montar o planejamento financeiro e achar meios de como economizar no intercâmbio. Entre dinheiro, cartão ou traveller cheques e VTM (Visa Travel Money) há quem leve os quatro, mas cada caso é um caso com necessidades específicas:

  • Traveller cheques – Longe da fama de tempos atrás, os traveller cheques ainda é a preferência quando o assunto é economizar no IOF (Imposto sobre operações financeiras), pois a taxa é muito menor para os depósitos de dinheiro feitos nesse cartão (atualmente 0,38%), enquanto o IOF a taxa é de 6,8% cobrada nas compras com o cartão de crédito no exterior ou nas taxas de conversão de cambio.
  • VTM (Visa Travel Money) – A saída mais comum para não andar com dinheiro em espécie no exterior. O dinheiro usado neste cartão de débito é depositado no Brasil ou no exterior com o câmbio do dólar americano. O IOF, imposto do cartão de crédito, é cobrado sobre essa transação, assim como nos traveller cheques. É possível fazer saques nos caixas eletrônicos autorizados e esse cartão é aceito no mundo inteiro, desde que o estabelecimento aceite a bandeira VISA.
  • Cartão de crédito internacional – A conveniência fala mais alto na escolha do cartão de crédito, mas a prudência no uso ajuda a ter menos sustos na fatura, uma vez que o cambio do dia é o que conta no fechamento.

Ter um cartão de crédito facilita na hora de alugar um carro, fazer compras em determinadas lojas e comer em lugares que não aceitam o VTM ou os traveller cheques, mas encare como uma forma de pagamento para situações emergenciais se quiser gastar menos.

  • Dinheiro – Normalmente é levado em pequena quantia, principalmente junto aos pertences pessoais durante a viagem. Por questões de segurança, não é recomendado levar grandes quantias de dinheiro em espécie, ou depender apenas desse recurso na viagem. Além disso, pode ocorrer a necessidade de comprar dólar no exterior e ficar exposto as taxas de câmbio.

O que levar na mala para o intercâmbio no Canadá – Estações climáticas bem definidas é uma vantagem de ir estudar no Canadá. Em cidades como Vancouver, por exemplo, o inverno é menos rigoroso que em Toronto, apesar da menor quantidade de neve em muitos cartões postais em 2015. Os brasileiros que sofrem muito com temperaturas abaixo dos 10° se sentem seguros em pesquisar o clima da cidade em que vão visitar – já que essa estação é a mais crítica e diferente do que enfrentamos por aqui -, pois as variações no termômetro são mínimas.

Para enfrentar o rigoroso inverno canadense, é interessante considerar comprar um casaco e bota de neve quando chegar ao Canadá. Levar calças e blusas “segunda pele”, roupas em tecidos impermeáveis e sapatos resistentes já ajudam em seus primeiros momentos no país. Não deixe de levar peças leves e básicas para se sentir confortável em ambientes fechados, normalmente climatizados.

Coloque o investimento na ponta do lápis – fazer contas e contas incluindo transporte, alimentação, passeios, compras e aqueles exageros que todos cometem (mesmo sem poder). Prever gastos extras é fundamental para não se perder com o orçamento. Não se esqueça de converter tudo ao dólar canadense se baseando no custo de vida da cidade “arredondando para mais”.

Abra sua mente – Pesquise sobre a cultura canadense. Uma das primeiras coisas que notará é a multiculturalidade das grandes cidades e como a norma por lá é desprender-se dos preconceitos e combatê-los. O Canadá é um país que preza o bom convívio entre as diferentes crenças e culturas para que todos se sintam acolhidos.

Agora é começar a colocar em prática seus preparativos. E, claro, na hora de solicitar o visto canadense, consulte nossos serviços: www.vistoparaocanada.com.br

 

 

Autor: Alexandre Luis Pedrosa – Especializado em Vistos, Imigração e Sistema Educacional Canadense.

Quer ajuda? Escreva direto para o autor: alexandre@vistoparaocanada.com.br


Alexandre Luis Pedrosa

Sobre Alexandre Luis Pedrosa

Já viajou pelo Canadá de ponta a ponta. Sabe tudo sobre o Canadá. Certificado pela Comissão de Turismo Canadense; Especialista em vistos, imigração e sobre o Sistema Educacional no Canadá e Consultor no setor de vistos para diversas agências e empresas do Brasil. Escritor de contos e do E-book "99 atividades e atrações grátis para fazer no Canadá". Um eterno apaixonado pelo Canadá.


Escreva para nós aqui >

2 pensamentos em “Estudar no Canadá em 2016: como se preparar para o intercâmbio?