“Correndo por fora” o Canadá se firma como potência educacional e promissor em oportunidades para estudar fora do Brasil


Mesmo com a alta procura para estudar fora do Brasil, o Canadá segue como uma surpresa em rankings internacionais com sistemas educacionais distintos nas províncias

O ranking da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) mostra níveis de desigualdade nos 36 Estados membros por meio dos resultados de exames do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa). Mas foram os dados sobre educação que chamaram atenção e valem super a pena para quem quer estudar fora do Brasil e procura um país igualitário e uma potência educacional como o Canadá se revelou no ranking e análises mais minuciosas dos dados.

Se você está considerando imigrar para o Canadá com filhos, com cônjuge ou só o cenário continua favorável, sobretudo no quesito educação, uma tendência que nem é tanta novidade para quem acompanha nosso blog e já viu textos como esse e esse.

O que chama atenção nos resultados dos exames da OCDE são os animadores indicativos que dão conta que o Canadá está entre os dez melhores países em matemática, ciências e interpretação de textos. Isso coloca os jovens estudantes canadenses entre os mais bem educados do mundo. E em que isso reflete em seus planos de estudar no Canadá se você é um jovem nascido e criado no Brasil?

 

Mesmo com sistemas educacionais independentes entre províncias, estudar fora do país , em especial no Canadá, aumenta as chances de equidade intelectual para os imigrantes

Enquanto destinos como Cingapura, Noruega e Finlândia permaneciam líderes consolidados em rankings mundiais que medem a qualidade de sistemas educacionais, o Canadá corria por fora apresentando crescente evolução no ensino oferecido aos nascidos no país e imigrantes. Em comparativo, o país destoa com sistemas educacionais geridos de forma independente nas províncias, ao contrário do que acontece nos outros países citados com conhecidas sociedades homogêneas e coesas e com sistema educacional integrado a uma estratégia educacional. Seria esse o segredo canadense?

Essa pronta resposta a pesquisa não dá, mas os indicativos e pontos considerados nela complementa fatores que já apontamos muito aqui no Visto para o Canadá para quem quer estudar fora do país.

Fatores para quem quer estudar fora do país, especialmente no Canadá

A debandada de estrangeiros que escolhem estudar no Canadá obviamente considera fatores econômicos [a educação não é barata por lá, embora os valores sejam mais atrativos que em potências consolidadas], mas é na forma integrativa do ensino e no protagonismo que os estudantes que vêm de fora conquistam seus espaços e se tornam competitivos no mercado de trabalho canadense. Isso reverbera também nas escolas que recebem e alfabetizam as crianças e formam os jovens que em até três anos após chegar ao país conseguem alcançar notas tão altas quanto seus colegas.

Talvez isso seja um fragmento que ajuda a explicar como o Canadá tem a maior proporção de adultos em idade produtiva com educação superior – 55%, em comparação com uma média de 35% de países da OCDE.

É muito comum a crença de que os estudantes brasileiros que querem estudar fora do Brasil têm que “ralar muito” para pegar e acompanhar o ritmo das instituições internacionais, isso não é de todo uma mentira, embora o tom possa ser bem mais leve em alguns destinos.

As oportunidades para trabalhar no Canadá acabam sendo uma motivação para os que escolhem entre as centenas de opções de cursos de ensino superior em colleges ou universidades canadenses. E no quesito ‘variedade de cursos’ o país também é muito competente, ou seja, une-se o propósito do estudante, com baixas taxas de desemprego nas províncias, que aquecem o mercado de trabalho com profissionais qualificados, formados ou com pós-graduação no Canadá e que têm no visto de estudante o adicional da permissão para trabalhar. Se você quer se aprofundar mais sobre isso basta ler “Como imigrar para o Canadá? 4 dicas alternativas para você chegar lá!”, onde discorremos sobre como cursos que oferecem o Post Graduation Work Permit (PGWP) e programas de college, por exemplo, podem representar chances reais de morar e trabalhar no país.

 

Estudar Inglês fora do país

Estudar inglês no Canadá abre portas, sobretudo com um processo de visto canadense de turista que permite cursos de idiomas por até 24 semanas. Seis meses no país, pagando um valor mais justo e com uma forma mais simplificada de visto… Isso é tentador e aquece ainda mais a economia canadense que não esconde o interesse em manter o crescimento e a alta qualidade do mercado do ensino.

 

Visto canadense de turismo para estudar inglês e cursos de idioma mais baratos aproximam quem quer estudar fora do país de origem

Para quem traça estratégias para estudar fora do país, considerar as oportunidades vai além de se debruçar na busca de vagas de emprego no Canadá. Ingênuo pensar que o Governo não considera as visitas exploratórias como parte de um processo para receber futuros imigrantes e as vantagens oferecidas para isso são realmente tentadoras. E são nessas visitas que a “mágica acontece”.

Ter contato com uma cultura igualitária que impulsiona a integração de estrangeiros e imigrantes é um forte diferencial do Canadá, observado e citado por Andreas Schleicher, o diretor de educação da OCDE no relatório. Fica claro ainda a valorização dos profissionais do ensino que são bem muito bem remunerados e exigidos em processos seletivos (comparação com padrões internacionais).

ESTUDAR FORA DO BRASIL

ESTUDAR FORA DO BRASIL

Um dos bem sucedidos resultados de todo esse investimento aparece no indicativo que coloca três províncias canadenses (Alberta, Quebec e British Columbia) entre os cincos primeiros lugares em ciências, junto com países como Cingapura e Japão e à frente de lugares como Finlândia e Hong Kong, se fossem elas consideradas países na análise detalhada.

A igualdade no ensino também acompanha a igualdade econômica. No mais recente Pisa, o exame da OCDE, a variação de notas causada por diferenças socioeconômicas entre os estudantes canadenses foi de 9%, em comparação com 20% na França e 17% em Cingapura, por exemplo. O que elimina qualquer fatia residual de estudantes com desempenho ruim, o que normalmente é algo relacionado à pobreza.

Além de toda a base primorosa oferecida, estudar e trabalhar no Canadá tem sido a alternativa ao “efeito Donald Trump” para estrangeiros que querem estudar fora do país de origem. O que talvez seja o mais surpreendente para os países que sempre estiveram nos topos dos rankings estudantis não é apenas o que o país oferece, mas demonstrarem preparo e receptividade diante do aumento recorde de inscrições de estudantes internacionais.

Quanto a quem quer estudar fora do Brasil, a regra é a mesma, somada a boa fama de trabalhadores dedicados e estudantes com ótimo aproveitamento que os brasileiros têm no Canadá.

Fonte: Folha de S. Paulo

Quer saber mais?

Visto de Turismo para o Canadá

Permissão de Estudos para o Canadá – Visto de Estudante

Como não pode faltar economia para evitar sustos no retorno da viagem, o e-book 99 atividades e atrações grátis no Canadá vai te ajudar muito a economizar no Canadá.

 

 

Autor: Alexandre Luis Pedrosa – Sabe Tudo sobre o Canadá. Quer saber mais?

Escreva direto para o autor: alexandre@vistoparaocanada.com.br


Alexandre Luis Pedrosa

Sobre Alexandre Luis Pedrosa

Já viajou pelo Canadá de ponta a ponta. Sabe tudo sobre o Canadá. Certificado pela Comissão de Turismo Canadense; Especialista em vistos, imigração e sobre o Sistema Educacional no Canadá e Consultor no setor de vistos para diversas agências e empresas do Brasil. Escritor de contos e do E-book "99 atividades e atrações grátis para fazer no Canadá". Um eterno apaixonado pelo Canadá.

Escreva para nós aqui >